domingo, 19 de março de 2017

Mandam que ela não cante

Fiquei sabendo que mandaram a simpática moça do caixa do mercadinho parar de cantar. Achei uma violência isso que fizeram, essa ordem anti-felicidade, expedida pelos gerentes contra ela, a mocinha do caixa, que cantarolava baixinho enquanto passava as mercadorias dos clientes pelo leitor automático para ir fazendo a soma de seus ranchos. Confesso que o cantarolar da mocinha do caixa era um dos atrativos que me faziam escolher gastar ali, naquele estabelecimento, e não em outro, o meu dinheiro destinado às compras do que iria rechear a despensa de casa. Que presente para as almas das gentes, atormentadas pela correria desumanizante do dia a dia, poderem ser brindadas pelo cantar de alguém que trabalha feliz.
Mas agora isso nos foi tirado. Dela, foi cerceada a liberdade de expressar seu estado de espírito leve e de bem com a vida defronte à clientela. De mim (e talvez de outros clientes, pois torço para não estar sozinho no sentimento), foi surrupiado o prazer de deparar, de vez em quando, com alguém que recusa fechar em torno de si o zíper da dureza humana e ainda consegue adotar leveza, apesar de tudo, de tudo, de tudo. Ela não pode mais cantarolar, porque isso “poderia pegar mal”. Claro que a mocinha simpática do caixa (aliás, por si só, já é tão difícil encontrar simpatias por trás dos caixas, seja de mercados ou de estabelecimentos comerciais em geral, némesmo?), claro que ela não expressava sua leveza da alma somente cantarolando. Ela conversava com os clientes, sorria, olhava no olho, perguntava da vida, contava da dela. Nada disso mais pode. “Precisa ficar mais na sua”, sentenciaram. Para não perder o emprego, ela cumpre o ordenado. Ela não perde o emprego, mas o mercado perde a mim como cliente, por certo, porque não serei conivente com a injustiça feita a ela e também a mim, que gostava de ouvi-la cantar enquanto passava pela registradora as bananas, o extrato de tomate e o detergente em pó.

“Ela canta, pobre ceifeira, julgando-se feliz, talvez”, já dizia o poeta Fernando Pessoa em versos inspirados, quiçá, em alguma outra moçoila despretensiosamente faceira com a qual há de ter deparado em sua poética vida lusitana. A ceifeira que cantava em Lisboa não teve seu canto cerceado, mas, sim, eternizado pela verve poética do poeta. Já a pobre moça do caixa ali do mercadinho, sofre a censura dos que optam conscientemente pelos tons de cinza e não tem um poeta que cante seu canto. Tem gente a quem a felicidade incomoda. Depois, os passarinhos vão cantar no quintal do vizinho e as pessoas não entendem a razão.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro" em 13 de março de 2017)

segunda-feira, 6 de março de 2017

Quem lidera os pombos?

Sou ligado em experiências científicas. Gosto de assistir a documentários científicos na televisão e de ler reportagens sobre as novidades da ciência. O dia em que eu ficar famoso e vier a ser convidado a responder a esses questionários que se aplicam a celebridades, já sei que resposta darei ao quesito “se não tivesse essa profissão, que profissão você escolheria?”. Eu responderei: seria cientista. Que não leiam isso meus antigos professores de química, biologia e física do primeiro e segundo graus (é, eu sou do tempo do primeiro e do segundo graus, galera), que eles morreriam de rir. Ou de medo. Até porque eles certamente recordariam daquela vez em que eu fiquei sozinho no laboratório de física da escola e... Bem... Deixa pra lá. Sou cronista (felizmente), sigamos lendo a crônica.
Por gostar de assuntos relativos à ciência é que fiquei dia desses assistindo na tevê a um documentário sobre uma experiência feita não sei onde com pombos. Descobriram os cientistas que os pombos que voam em bandos seguem as decisões aéreas de um líder. O líder normalmente é o pombo mais forte, que voa mais alto, mais rápido, mais decidido. É ele quem orienta o voo da pombaiada toda, guinando à esquerda, depois à direita, mais para cima, descida amalucada em parafuso, um rasante sobre os fios de luz e... Ooopaaaa... Subida repentina na vertical, como os pombos tanto gostam. Isso sim, que é pombo-líder! Só tem uma coisa, que os cientistas descobriram. O pombo-líder não pode errar. Se errar, babau. É destituído imediatamente do cargo e outro assume o seu lugar.
Os cientistas concluíram isso inserindo nas costas do pombo-líder um aparelho que recebia os raios solares e enviava a ele coordenadas equivocadas, fazendo-o errar o plano de voo. Filmavam o voo do bando e depois analisavam o que acontecia. Era batata: os pombos percebiam que o líder estava desorientado, levando-os a rumos incertos, e logo outro pombo assumia o comando, o ex-pombo-líder sendo deixado para a rabeira do grupo. O que os cientistas ainda não sabem dizer é se são os pombos que destituem o líder equivocado e colocam outro em seu lugar ou se é o próprio líder que, ao perceber sua incompetência, cede o posto a outro e se retira, abrindo espaço para quem demonstra ter mais capacidade de liderança em benefício do bem comum da comunidade columbina.

O fato é que, entre os pombos, líder incompetente, que não sabe para onde está conduzindo o grupo, não dura muito. Não tem lugar. Não mantém a posição. Perde credibilidade. Precisa se retirar. Pombos são bichinhos bem inteligentes.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro" em 6 de março de 2017)