segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

O desandar da maionese

“Cada um com a sua fissura”, como já dizia o Keith Richards. Eu, hoje, vou falar sobre a minha, com a licença da madama leitora e do cavalheiro leitor, que devem ter também as suas, mas quem sou eu para pedir que revelem, até porque isso aqui não é divã de psicanalista, mas tão-somente uma croniqueta de segunda (de segunda-feira, que fique claro e se evitem os mal-entendidos, que de mau entendedor já bastamos eu certos senadores que assinam coisas sem ler pela aí, né, madama minha?). Pois, como eu ia dizendo (e não ia, porque o texto não engrenou de primeira devido aos parêntesis e às intercalações que tanto caracterizam este prolixo escriba que certos alguéns gostariam de des-caracterizar pro-lixo, mas, avante!). Como eu ia dizendo, direi a partir do segundo parágrafo, se ainda houver audiência.
Então, as fissuras. A minha, é por maionese. Sou fissurado por maionese. Maionese que, no meu entender de descendente de alemães oriundo de Ijuí, deve ser traduzida por salada de batata. Minha fissura de verdade, então, é por aquilo que chamo (e como) como salada de batata e que por essas plagas serranas define-se (e come-se) como maionese. Para mim, maionese é apenas um dos ingredientes utilizados para compor as irresistíveis saldas de batata, nas quais se utiliza batatas, maionese e penduricalhos que lhe vão acrescentando sabor e fazendo a diferença, tipo pepinos, azeitonas, rodelas de ovo cozido, salsa picada, crem (como, madama? Crem não? Ah, então crem não se usa em tudo? Cronicando e aprendendo. Crem não, então). Mas, classifiquem como maionese ou salda de batata, não importa. Minha fissura emerge das entranhas de minha gula e eu ataco sem dó nem piedade.

Sou um potencial candidato a vitimar-me por salmonela, porque basta disponibilizarem, em qualquer boteco, um pratinho de maionese ali no canto da mesa que meu radar detecta e eu crau! Quero nem saber, foi! Sei lá, devem ter metido maionese na minha mamadeira quando eu era pequeno, para ter se entranhado em mim essa fissura tão essencial pelo prato. Questionei minha mãe, dia desses, a respeito, e ela ficou me olhando de lado, em silêncio. Esse olhar dela sem responder pode significar coisas. Um: que ela fez mesmo isso, mas não ousa revelar. Dois: que só eu mesmo para imaginar uma sandice dessas. Três: que apesar de ser uma sandice, ela de fato o fez, mas não vai revelar. Claro que já estou viajando na maionese. Mesmo sem ser senador, basta colocarem um prato de maionese na minha frente que eu assino qualquer coisa. Não votem em mim, que a maionese desanda!
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul,em 20 de fevereiro de 2017)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O despertar do vindimeiro

Uma coisa é obter conhecimento sobre as nuances do mundo pela leitura de livros. Outra coisa é vivenciar uma experiência que proporcione o conhecimento antes apenas vislumbrado nas palavras impressas. O exposto confirma a antiga sabedoria helvética de que “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”. Também ilustra a relação dialética conhecida como “práxis”, pela qual a teoria orienta a prática que, quando posta em prática, aprimora e calibra a teoria, e assim por diante. Considerações que evocam à lembrança o símbolo do Tai Chi, aquele círculo dividido ao meio por uma linha serpenteada, um lado preto, outro branco, contendo em seus extremos bolinhas pretas e brancas, a branca no preto, a preta no branco, simbolizando o fato de todo o processo final conter em si a semente do novo processo que se inicia, permitindo-nos concluir que uma coisa pode não ser outra coisa, mas sempre remeterá a um vislumbre da coisa outra que ela ainda não é, mas que poderá virá a ser. Entende?
Pois é, filosofar por conta e risco, sem ajuda especializada, dá nisso: a mente vira um pião tresloucado batendo contra as paredes de um labirinto em Creta enquanto se busca a saída antes que o Minotauro nos agarre e solucione o jantar (o jantar dele, por suposto). Compartilho esses devaneios com a estimada leitora e o paciencioso leitor após ter vivenciado, em Uvanova, dia desses, a experiência da vindima. Para mim, nascido em urbanidades distantes nas quais acreditava-se que leite dava em saquinhos em prateleiras de supermercado e salame nascia em árvores, tive a oportunidade de meter a mão na massa (sentido figurado) e auxiliar no processo de transformação de uva em vinho.
Até então conhecedor apenas da etapa final do ciclo vinífero (a arrancada da rolha e o verter do líquido perolado nos cálices), esfolei os dedos embaixo do parreiral cortando os cabinhos dos cachos que lotaram cestos de vime depois transportados para o porão da casa dos sogros. Lá, alcei ao topo de um escorregador de madeira as 37 cestas repletas de uvas que iam sendo mastigadas por um moedor pilotado pelo cunhado. O sumo disso era erguido em latão pelo irmão do sogro ao alto de um mastel onde se posicionava o próprio sogro, manuseando um coador, a fazer com que para dentro do mastel jorrasse somente o líquido das uvas que, em breve, magicamente virará vinho em nossas mesas.

Vinho que, dessa vez, ajudei a fazer, na prática. Entusiasmado, já anunciei que, ano que vem, quero ajudar a plantar e a colher a bela polenta. Por alguma razão, me sugeriram voltar aos livros...
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul,em 13 de fevereiro de 2017)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Moedinhas no bolso

Não se trata de sparagnar (“poupar”, “economizar de forma avarenta”, cujo significado logo aprende, a partir do dialeto “talian”, todo imigrante moderno que venha habitar estas plagas serranas), mas, sim, de saber utilizar até o final a capacidade operativa que proporciona qualquer produto que se tenha adquirido com o soldi (“dinheiro”) advindo do fruto do seu lavoro (“trabalho”). Depois de alguns anos residindo em Uvanova, em Tapariu ou mesmo Vila Faconda, a gente descobre que há sabedoria no ditado dos antigos, ao alertarem que “qui sparagna el gato magna” (“quem economiza, o gato come”, em tradução livre e mescolada deste lavoroso cronista), admoestando aqueles que pensam que vão enriquecer mantendo a mão fechada a qualquer custo, sendo que, conforme as nonas (e as irmãs das nonas, que, para todos os efeitos, são as tias), da vida só se leva a vida que se levava e moeda em bolso de defunto não ilumina parede de caixão (essa inventei agora, ao sabor do entusiasmo). Mas, apesar disso, esbanjar desmesuradamente sempre foi, é, continua sendo e sempre será pecado. Certas as nonas.
Penso nisso sempre que chega ao fim um pote de xampu no banheiro. Reluto em aceitar o advento do esgotamento absoluto e irreversível do conteúdo daquele recipiente de artigo capilar. As informações na embalagem prometem 200 ml de produto. Mas, será que havia mesmo tudo isso ali dentro? E, se sim, consumi de fato tudo em meus a cada dia mais esparsos cabelos? Acabou? Morreu? Não mais xampu? Terei de abrir outro? Custo a acreditar. Destampo a embalagem e meto um pouco de água dentro, embaixo do chuveiro. Tampo com a mão, chacoalho com força para que a água lave as paredes do tubo e extraia os resquícios de xampu que nelas ainda se agarram. Ah, varda só (“olha só”, um híbrido ítalo-brasileiro), ainda rende mais uma ensaboada. Alora (“então”), mãos à obra, ainda consigo mais uma lavada. Afinal, salame não dá em árvore, como descobriram já na chegada os primeiros imigrantes que vieram para cá com o sonho de conquistar a cucagna (“fortuna”) e acabaram dando de cara com banhados de pissacán (“pissacán” é pissacán mesmo, lamento).

Não quero sparagnar, mas também me recuso a esbanjar. É por isso que bebo até a última gota da garrafa aberta de espumante, mastigo até a última migalha do pão assado na palha, chupo a casquinha do pistache (onde reside a maravilha do sabor) antes de colocar fora. Ah, e levo sempre umas moedas no bolso. Pois vai que brilhem no caixão. Afinal, o seguro morreu de velho. Morreu, como todos, é verdade. Mas de velho.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro" em 6 de fevereiro de 2017)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Eis o sumo da caipirinha

Agora inventaram a caipirinha de melancia. Tudo bem, é preciso estar aberto às novidades que o andar do tempo faz surgirem (houve época em que sequer caipirinha de limão existia e alguém teve de inventá-la, um gênio dos coquetéis, por suposto), e assim os menus dos barmen vão sendo incrementados com caipirinha de abacaxi (que, admito, é uma delícia quando feita dentro da casca da fruta, desmistificando também a carga negativa da expressão “descascar o abacaxi”, que se transforma em prazer urgente quando o propósito é fazer uma caipirinha), caipirinha de maracujá, de morango e afins (lá vai o kirst-quiz da semana: qual a caipirinha mais esdrúxula que você já provou?).
Mas eu, dinossauro que começou a andar por sobre a Terra ainda no início da segunda metade do longínquo século passado (aquele, no qual música vinha de aparelhos três-em-um; no qual creme dental era pasta-de-dente; em que parecer descolado era usar calça boca-de-sino, tênis Bamba e chamar os caras de “bicho” e as minas de “mina”; em que era preciso esperar a válvula do televisor esquentar para assistir, em preto-e-branco, ao “Vila Sésamo” e outras cavernices), eu, que daquele tempo sou, ainda reluto em pedir ao garçom uma caipirinha que não seja a clássica, feita com limão esmagado, açúcar, gelo e cachaça (da boa). E isso que avancei: admito, no lugar da cachaça, uma vodka de qualidade, e, para agradar aos paladares femininos e pavonear gourmetices, uma pitada secreta de canela-em-pó, que fica docinho no copo delas e serve de desculpa para preparar outro, mais forte, “só para a homarada”.

A senhora minha esposa, com quem casei, é apreciadora do brasileiríssimo drinque. Na verdade, quase uma “expert”, dada a capacidade que desenvolveu de avaliar as qualidades de uma caipirinha bem feita, especialmente as tradicionais, sobre as quais traça tratados teórico-práticos. Aprendo com ela que existe uma lógica de consumo, que inclui saber bebericar a goles pequenos (na próxima encarnação, talvez, eu...) e, principalmente, impedir o garçom de recolher o copo quando o conteúdo parece ter sido totalmente consumido. Nãnãnã... Espera, deixa aí. O melhor reside justamente nos pedacinhos de limão que sobraram no fundo, encharcados do sumo caipirístico resultante do amálgama da polpa da fruta com a cachaça e o açúcar. É com propriedade profissional que ela saboreia aqueles nacos de limão. Deve haver poesia e metáforas profundas nisso. Fica a cargo do leitor e da leitora pescarem-nos. Afinal, é verão, tempo de férias e eu esqueci o que queria dizer... Garçom!
(Crônica publicada no jornal Pioneiro em 30 de janeiro de 2017)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Porco, cão ou ovelha?

Quem é porco? Quem é cachorro? Quem é ovelha? Quem é humano? Quais as diferenças entre eles? Quais as semelhanças? De acordo com suas atitudes, um ser humano pode se assemelhar a um porco, a um cachorro ou a uma ovelha, se, para efeitos de comparação fabulosa e metafórica, forem levadas em conta algumas características atribuídas a esses animais. O porco é o ser que atropela tudo movido pelo incontrolável desejo de saciar seus interesses imediatos, resumidos a uma fome voraz (que, transposta para o universo humano, pode ser entendida como fome de poder, de riquezas, de fama etc). O cachorro é o bajulador inconsequente desprovido da proatividade do porco, mas que se alia a ele para também atender a seus interesses próprios e de ascensão. A ovelha é a grande população submissa, vampirizada pelos porcos e pelos cachorros, sem iniciativa de reação; os inocentes úteis; a massa ignara.
O escritor britânico George Orwell (1903- 1950) criou uma das mais icônicas obras da literatura contemporânea ao abordar a questão com seu aclamado “A Revolução dos Bichos”, lançado em 1945. No original, o livro intitula-se “Animal Farm” (“A Fazenda Animal” ou “A Fazenda dos Bichos”, em tradução livre deste cronista). Ali, os bichos da Granja do Solar resolvem se unir a fim de subjugar os humanos dominantes e assumir o controle da fazenda, irmanados em um propósito inicial de solidariedade traduzido pelo lema “Todos os bichos são iguais” (alterado mais tarde para “Todos os bichos são iguais, mas alguns são mais iguais do que os outros”, à medida em que os porcos vão traindo o movimento e se aliam aos homens, pelo poder). Quarenta anos atrás, em janeiro de 1977, o grupo inglês de rock Pink Floyd lançava seu nono disco de estúdio, intitulado “Animals”. Era um álbum conceitual (como quase todos os da banda então liderada pelo baixista e compositor Roger Waters) claramente inspirado no livro de Orwell, composto por apenas cinco faixas (três delas com mais de dez minutos: “Dogs”, “Pigs” e “Sheep)”.

Nas letras das músicas de 40 anos atrás, Waters debruça-se a analisar as nuances das gentes que se assemelham a porcos arrivistas, a cachorros reacionários e a ovelhas submissas, e de como esses personagens humanos protagonizam as mazelas do mundo. Nesses dias estranhos em que vivemos, nada mais atual do que recolocar “Animals” do Pink Floyd para tocar no aparelho de som e folhear de novo as páginas de “A Revolução dos Bichos”, que encerra-se com a famosa frase “... mas já se tornara impossível distinguir quem era homem, quem era porco”.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do SUl, em 23 de janeiro de 2017) 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A resistência das rosas

Eu sei que é roubada comprar rosas no pico do verão, mas, quando percebo, já é tarde. Hábitos falam mais forte quando cultivados com zelo e isso vale para tudo: amizades, relacionamentos, restaurantes, bons e maus comportamentos, formas de pensar, maneira de escovar os dentes, leituras, churrasco de domingo, aquisição periódica de rosas e mais tudo aquilo que a amiga leitora e o estimado leitor quiserem acrescentar por conta de suas vivências. Quando vi, estava com o buquê deitado no banco do caroneiro, mais uma vez, como faço às sextas-feiras.
Flores trazem vida, cor e clorofila à casa, especialmente quando não se tem habitando nela nenhum gato, cachorro ou peixe de aquário. Às sextas-feiras, em uma esquina do bairro próxima daqui de casa, paro o carro ao lado da van do florista ambulante cujas portas escancaradas ofertam aos transeuntes diversos buquês de rosas com cores variadas. Tem de tudo que a imaginação e a palheta de cores possa criar: rosas vermelhas, rosas brancas, rosas cor-de-rosa, rosas lilás, rosas azuis, rosas verdes, rosas bicolores, rosas bege, rosas salmão, rosas amarelas. Gosto de variar e me divirto com as cores mais esdrúxulas, ciente de que são tingidas artificialmente, mas tudo bem, o que vale é o efeito.
Às vezes, adquiro dois buquês para mesclar as cores nos diversos vasos que depois a esposa espalha pelas peças da casa. Até os banheiros são brindados com a presença floral, porque, afinal de contas, aqui em casa, banheiro também é gente, se me permitem a metáfora pobrinha. E faço isso de caso pensado. Sei que a expectativa de vida das florezinhas não ultrapassa uma semana, período em que esperamos delas apenas que os botões se abram e preencham os ambientes com o perfume, as cores e a alegria de serem rosas. Depois, cumprem o seu destino: murcham, morrem, vão fora e dão espaço para os buquês da semana que vem. Assim é a vida das rosas, sobre as quais já aprendemos singelamente com o poeta que são rosas, são rosas, são rosas...

Mas no duro do verão a coisa é diferente. As rosas compradas sexta-feira passada não duraram sequer três dias e já estão flácidas nos vasos, murchas, tristes e acabadas. A rosinha amarela infiltrada no meio do buquê carmesim ainda que tenta manter a imponência, rainha em meio ao mar de murchismo protagonizado pelas demais. Efeito do calor, claro. Mas não desisto. É uma questão de honra não abandonar esse hábito. Afinal, se uma rosa é uma rosa, a poesia também será sempre poesia, apesar do calor abrasante. Contem comigo na sexta que vem!
(Crônica publicada no jornal Pioneiro, de Caxias do Sul, em 16 de janeiro de 2017)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Cravados nas jugulares

Hoje vamos falar de vampiros. Sei tudo sobre vampiros. Leio muito a respeito há séculos... Quer dizer... Há anos. Muitos anos. Com o passar das eras, ou melhor, dos anos, fui acumulando profundos e detalhados conhecimentos a respeito das mais variadas espécies de vampiros, seus hábitos, suas características, suas preferências, suas formas de manifestação e, sobretudo, a respeito de seus disfarces. Um dos mais poderosos artifícios dos vampiros é seu poder de se disfarçar e de se imiscuir anonimamente no seio da convivência com suas vítimas em potencial. Aterrador, não acha? E é mesmo.
Ao estudar o vampirismo, descobri que a pátria dos vampiros é a longínqua e nebulosa Transilvânia, encravada nos Cárpatos da Europa oriental. Ali, a vampirada deita e rola, ou melhor, suga e morde, ao sabor de sua insaciável sede de sangue. Vampiro quer sangue, cada vez mais e mais, e fica desesperado quando se vê impossibilitado de prosseguir encravado nas veias que lhe proporcionam o tão desejado fluido vital. Está escrito na testa do vampiro “quero sangue”. Observe bem e você verá. Pois bem. Lá na Transilvânia, a pátria dos vampiros, as diversas regiões do país são controladas por enormes e fabulosos gigantes. São gigantes imensos, colossais, descomunais, cujos organismos são constituídos por quilômetros infindáveis de veias e artérias pelas quais circulam milhares de litros de cobiçoso sangue para a vampirada.
E frente a isso, o que os vampiros da Transilvânia fazem? Ora, eles se reúnem em grupos de afinidades, que denominam “partidos vampíricos”, e se organizam para atacar, subjugar e vitimizar os gigantes para, assim, sugar-lhes o sangue em conjunto, unindo forças e garantindo a eternidade de suas vampiranças. O interessante é que todo o processo é muito democrático. Apesar de se odiarem entre si, os grupos fazem acordos estratégicos para imobilizar e sugar a seiva vital dos gigantes. O grupo de maior expressão e poder vampiriza a jugular e as principais artérias dos colossos; os grupos intermediários ficam com os órgãos secundários e as veias mais extensas; os grupelhos menores sugam os dedinhos, as orelhas, a ponta do nariz.
Enquanto houver gigante a ser sugado, os grupelhos de vampiros trotam juntos suas jornadas vampirais. Caso percam a boquinha – ou melhor, a gargantinha –, imediatamente as alianças se esfacelam como névoa e os vampiros brigam entre si, acusando-se uns aos outros e saindo imediatamente em busca de outro gigante para vampirizar. Um pesadelo a situação lá na Transilvânia.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 9 de janeiro de 2017)