segunda-feira, 20 de novembro de 2017

A animação dos inanimados

Nós, madama, seres animados e racionais que somos, parecemos passar grande parte de nossas existências dedicados à tarefa contínua e interminável de transportar de um lugar para outro todos aqueles seres inanimados que nos cercam, e que costumam ser maioria. Não, madama minha, não me refiro àquele seu sobrinho que se imobiliza no sofá a tarde inteira e não se mexe mesmo quando cutucado com a vassoura para que levante e pelo menos vá tirar o lixo uma vez na vida para ajudar um pouco, pelamordedeus! Não, na verdade, me refiro aos seres inanimados mesmo, às coisas sem vida, aos objetos que criamos para que nos sejam úteis, mas que só o são quando reposicionados nos lugares em que deveriam estar mas nunca lá estão, a não ser quando levados por nós.
As canetas podem servir de exemplo fácil para ilustrar a essência da teoria irrelevantista que pretendemos traçar hoje nesta desfilosófica crônica de segunda. Elas, as canetas, nunca estão onde deveriam estar para que nos sirvam com a devida utilidade para a qual foram concebidas. Precisamos sempre trazê-las para que nos ajudem a fazer a lista de compras de supermercado, ou traçar as contas de final de mês. Elas sabem que precisamos delas sazonalmente nesses momentos, mas jamais se apresentam voluntariamente ao alcance de nossas mãos para o serviço. Precisamos sempre buscá-las, nós, os seres animados, a elas, essas determinadas inanimanças.
Outro exemplo vigoroso para ilustrar a tese são as compras de mercado. Quanto serviço, quanta energia gasta entre as prateleiras nas quais os produtos repousam e seu derradeiro estar dentro de nossas casas. Primeiro, depositamos todos eles dentro do carrinho, que conduzimos por entre as gôndolas. Depois, içamos todos para fora a fim de passá-los, um a um, pelo leitor de código de barras operado pela moça do caixa. Feito isso, ensacamos a turma e os depositamos todos de novo dentro do carrinho, que agora conduzimos até nosso automóvel, estacionado no pátio do mercado. Abrimos o porta-malas, tiramos do carrinho e metemos tudo lá dentro, um a um. Ao chegarmos em casa, se moramos em prédio relativamente organizado, retiramos os produtos do porta-malas e acomodamos tudo dentro do carrinho do condomínio. Subimos a nosso apartamento, tiramos tudo do carrinho e finalmente levamos cada artigo para seu destino final em nosso lar.

Alguém aí contou quantos movimentos foram necessários para animar os inanimados? Que trabalho, hein, madama? Desanimador, eu diria! Opa, madama... Volte! Para onde a senhora pensa que está levando esta de segunda de hoje?
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 20 de novembro de 2017)

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Pedras fora, rota livre

Quando estamos determinados a fazer alguma coisa, não há desculpa capaz de nos demover de nosso foco. Porém, virando a outra face da moeda, surge estampada ali a antítese direta do axioma, em mesmo peso: se não queremos fazer algo, qualquer coisa serve de desculpa para nossa inércia. Quando não queremos fazer algo que deveríamos fazer, usamos como subterfúgio a ação impeditiva supostamente advinda de todos os elementos externos a nós mesmos, que se colocam como pedras atravancando nosso caminho. Porém, quando estamos determinados a cumprir uma tarefa, não há galho no meio do trajeto que não seja transposto, cerca que não seja pulada, pedra que não seja rolada para o lado, vento que não seja encarado de frente, temporal que não seja exorcizado no grito. A moeda é sempre a mesma. O lado que decidimos oferecer à luz do sol depende de nossa vontade, e só dela.
Penso nessas coisas quando me ponho a refletir sobre a impressionante história de vida de um personagem folclórico que movimentou as paragens do distrito de Criúva por volta de muitos-anos-no-antigamente-afora, isto é, ao redor de 1844. Conhecido como “O Santo da Cruz”, há até uma ermida erguida em honra a ele ao lado da Igreja Matriz, onde está abrigada a cruz que dizem o monge ter deixado para a comunidade ao partir depois de uma temporada pelas redondezas operando milagres, fazendo curas, distribuindo benzeduras, bênçãos, conselhos, auxílio espiritual e semeando mistérios. Mas tinha nome e biografia o monge eremita. Chamava-se Giovanni Maria D`Agostini. Nasceu em 1801 na região italiana do Piemonte; ingressou jovem em um seminário em Roma mas saiu antes de sagrar-se padre. Desejava percorrer o mundo divulgando a fé, na forma como a entendia, e foi o que fez.

Os registros históricos que seguem suas pegadas dão conta de que, primeiro, percorreu França e Espanha, chegando a fazer o Caminho de Santiago de Compostela. Depois, migrou para as Américas e percorreu (acompanhe): Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Brasil (São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, onde deixou marcas em Criúva, Candelária e Santa Maria), Chile, Bolívia, Peru, México e Canadá. Cansou? Ele não. Tem mais. Percorreu boa parte dos Estados Unidos até se aquerenciar em uma cidade no Novo México, onde acabou misteriosamente assassinado em 1869. Pois é. Fez tudo isso a pé, de carroça, barco ou no lombo de animais. Não esperou a chegada dos automóveis e dos aviões para cumprir a tarefa. Sua inexistência não era desculpa. E a gente aqui, reclamando do elevador que enguiça...
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 13 de novembro de 2017)

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

A temer a porta dos fundos

Existem duas maneiras de entrar para a História: pela porta da frente e pela porta dos fundos. A turma dos defensores do politicamente correto, sempre de prontidão e em guarda, se me ler, virá exigir a apresentação de uma terceira via para minha tese, já de saída. E eu, estudioso que sou do Irrelevantismo, vejo-me apto a fornecê-la, de saída também. Ei-la, então, a pedidos, a terceira via: não entrar para a História de jeito nenhum, que é a opção praticada pela avassaladora maioria das gentes ao longo da mesma História, uma vez que, segundo pesquisas desenvolvidas por colegas estudiosos do Irrelevantismo, descubro que, desde o surgimento do primeiro ser humano sobre a Terra, até hoje, já viveram 108 bilhões de pessoas. Dessas, quantas entraram para a História? Ínfimas, por certo. E ao par dessa infimidade portentosa, sustento haver aquelas duas maneiras de ingressar nas páginas da imortalidade histórica, conforme exposto na primeira frase desta hoje reflexiva crônica de segunda.
Pela porta da frente e pela porta dos fundos, portanto. A título de ilustração, que sei que a madama aprecia as coisas bem ilustradinhas, evoco o exemplo do Guilherme Tell, o arqueiro aquele que entrou para a História flechando uma maçã disposta sobre a cabeça de seu próprio filho, em épocas remotas nas quais barbaridades dessa natureza eram permitidas. Guilherme entrou para a História pela porta da frente, mas temerariamente, uma vez que a flechada partiu ao meio a dita maçã, e não a cabeça oca de seu filho, que concordou em se prestar à brincadeira de gosto duvidoso. Mas e se Guilherme tivesse errado? Se não houvesse treinado o bastante? Quantas maçãs precisou rachar com flechadas antes de levar ao público o show, suficientemente seguro de seu desenlace? E quantas cabeças de sobrinhos, afilhados e garotos da vizinhança pode ter ferido antes de colocar a do próprio filho na alça da mira? Ah, Guilherme, Guilherme, que temeridade... Entrou pela porta da frente, admito, mas que a dos fundos escancarava suas portas para ele, isso escancarava, né, madama? Que temeridade!

Falando em temeridades e ingressos na História pela porta da frente ou pela dos fundos, parece-me haver aqui algum trocadilho pulsando desejoso de vir à tona nessas mal-traçadas de segunda, mas não se me clareia a mente agora. Talvez a madama possa me ajudar. Por enquanto, pensemos nisso: se for para entrar para a História pela porta dos fundos, melhor ficar à sombra de uma árvore tranquilamente degustando uma maçã, a senhora não acha? Aí não haverá nada a temer.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul,em 6 de novembro de 2017)

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Cuidado, ele já entrou

Na verdade, só mudam o nome e a nacionalidade, mas a essência é sempre a mesma. Hoje em dia, a nacionalidade dele é norte-coreana e seu nome é Kim Jung-Un, presidente ditatorial vitalício da nação asiática. Até bem pouco tempo atrás, quem cumpria o papel era Osama Bin Laden, o saudita fundador e líder da organização terrorista al-Qaeda, a quem se atribui o planejamento e a execução de atentados como o das Torres Gêmeas nos Estados Unidos, em setembro de 2001. Laden deixou o posto ao ser assassinado em uma operação secreta comandada pela CIA. Mas houve muitos antes dele, revezando-se ao sabor das necessidades norte-americanas de manter sempre na mira a figura do “inimigo público internacional número 1”.
A lista pode ser facilmente preenchida quando nos dedicamos a relembrar um pouco o cenário da política internacional das últimas décadas. Antes do explodidor de bombas atômicas norte-coreano e do líder terrorista saudita, o papel foi desempenhado (mesmo que à revelia e a contragosto) por diversas figuras hoje históricas. Vamos a algumas delas, só para ilustrar e refrescar a memória: Saddam Hussein, do Iraque; aiatolá Khomeini, do Irã; Muamar Khadafi, da Líbia; Kim Jong-il, também da Coreia do Norte, pai do atual líder daquele país; Idi Amin Dada, de Uganda; e até mesmo os sul-americanos Hugo Chávez, da Venezuela, e Fidel Castro, de Cuba, integraram o time. Durante o período da Guerra Fria, em que os mundos capitalista e comunista rosnavam um contra o outro, não faltaram líderes de países comunistas a se verem instalados no desconfortável trono, como os do Vietnã do Norte que entraram em refrega direta contra os Estados Unidos e vários dirigentes soviéticos como Nikita Kruchev e Leonid Brejnev, apelidados pelos norte-americanos de comandantes do “Império do Mal”.

Direcionar os temores mundiais, as frustrações e os ódios latentes contra figuras internacionais que pressupostamente encarnam o mal é uma estratégia antiga e surrada, usada à larga pelas nações líderes, a fim de se manterem no topo da orquestra, dando o tom da sinfonia, que deve tocar as valsas no compasso que elas desejam. Os Estados Unidos são experts em criar supervilões internacionais que sejam constantemente combatidos, até porque, existe uma indústria armamentista que gera lucros astronômicos e precisa ser alimentada. A pergunta que não quer calar, porém, nesses dias hodiernos, é: e o que fazer quando o “inimigo público internacional” parece estar sentado no Salão Oval da Casa Branca, travestido de presidente? Xiii...
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 30 de outubro de 2017)

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Para além do cometa fugaz

Eu possuía um binóculo e meu primo dispunha momentaneamente da chave do carro de seu pai, meu tio. O pacto estava feito, afinal, tínhamos em mãos toda a parafernália necessária para testemunharmos a passagem do Cometa Halley, naquele fevereiro de 1986. Além do binóculo e do transporte, estávamos aviados também do requisito que, talvez, se configurasse no mais determinante de todos: a juventude de nossos 20 anos de idade, trasbordante de iniciativas e das proatividades características. Aquele astro celeste não cruzaria os céus passando despercebido por nossa observação daqui debaixo, não mesmo.
Éramos estudantes universitários gozando férias de início de ano e gastávamos o tempo deambulando pela nossa compartilhada Ijuí natal naqueles dias de atenções extraplanetárias. Morador da Rua dos Viajantes, acostumado a trilhar viagens de todas as espécies, e frequentador assíduo do mundo da Lua que era, cabia a mim a tarefa de descobrir a melhor data e o mais propício horário para efetivar a observação do cometa que sazonalmente faz sua passagem perto do nosso planeta, proporcionando uma experiência visual única a cada ciclo de cerca de 76 anos. A última vez fora em 1910 e, agora, testemunharíamos sua nova visita aos nossos domínios terráqueos.
 Decretei o dia certo naquele fevereiro e a hora madruguenta em que melhor poderíamos avistá-lo. À meia-noite, limpei as lentes do binóculo, meu primo chegou pilotando o Corcel II de meu tio e rumamos a um descampado nos limites da cidade, escuro, longe das luzes da civilização. A temperatura era amena e o céu estava limpo, propício para o avistamento de cometas. Estacionamos, saltamos para fora do carro e nos pusemos a perscrutar o firmamento estrelado, em busca do astro errante. De repente, lá estava ele. Longe, longe... Uma estrela com um rabinho reto luminoso em forma de cauda. Era o Halley. Tímido, discreto, devido à distância. Mas era ele. Nossos olhos pescaram para dentro das almas a sensação do avistamento e a consciência do privilégio histórico que ambos vivenciávamos ali. Bastou.

Saciados, voltamos para nossas casas. Guardei meu binóculo, meu primo devolveu a seu pai o carro intacto. Adormecemos, cada um em seu quarto. Ou não. O retorno do Halley está previsto para 2061, quando eu acumular 95 anos, se estiver vivo. Voltarei a vê-lo? E, se o vir, reconhecerei nele o reflexo de mim mesmo, a mesma essência do Marcos que presenciou sua visita anterior? Pensei essas coisas naquela noite de insônia excitada. Ainda penso. Afinal, precisamos ser mais do que meros cometas de passagem.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 23 de outubro de 2017)

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

A mancada do Olorico

Foi na celebração dos 90 anos da dona Rieta que o Olorico perdeu para sempre a moral que cultivava junto ao coração da estimada anciã. Solteirona por opção e por rabugice, talvez mais devido ao segundo aspecto do que ao primeiro, dona Rieta não tinha filhos e era a sobrevivente solitária de uma fornada de seis irmãos que lhe povoaram o coração de sobrinhos, noras emprestadas (como designava imperiosa as esposas dos sobrinhos) e sobrinhos-netos, que lhe paparicavam e faziam as vontades.
Dona Rieta era querida pela família, pelos amigos, pelos vizinhos da rua em que vivera a vida inteira e não havia quem pensasse em se fazer ausente à festa que marcaria suas nove décadas, dali a alguns dias, em um domingo ensolarado que ela mesma tratara de encomendar via rezas diretas a São Pedro e ele que não lhe falhasse. Lúcida, ativa e xingante como sempre, dona Rieta saboreava os preparativos para o evento que seus ouvidos atentos captavam da sala ao lado enquanto o sobrinho mais velho, na casa de quem morava há décadas, organizava demandas junto à esposa, aos sussurros, na cozinha. Haveria churrasco para centenas de convidados e, vejam só, o Olorico insistia em custear sozinho metade das despesas.
Olorico era filho de uma prima de dona Rieta, falecida já há muito, e, no alto de seus 70 anos de idade, envergava a primazia de ser o afilhado mais velho da estimada anciã do clã. Havia um lugar especial para o Olorico no coração da dona Rieta e todos sabiam disso. Era como um filho para ela, e se portava como se fosse. Até o dia fatídico da festa dos 90 anos. O domingo amanheceu ensolarado mesmo, pois nem São Pedro ousaria contrariar os desígnios da Rieta. Os convidados iam chegando ao clube que sediava a festa e rumavam à poltrona de onde Rieta recebia os cumprimentos, presentes, afagos e mimos. Até que chegou o Olorico.

Aproximou-se da madrinha, abraçou-a e segredou em seu ouvido algo que a fez fechar a cara, estender o beiço e não olhar mais para ele. Houve certo climão ao longo da festa e, na segunda-feira, quiseram saber dela o que o Olorico lhe cochichara. “Ele me insultou. Disse que eu sou uma sálvia”, reclamou a madrinha, amargurada. Analfabeta que era, não reconheceu na boca do afilhado o elogio de “sábia” que ele lhe endereçava com todo o afeto e admiração. Morreu no ano seguinte sem perdoar a insolência e recusando que colocassem no galeto as folhinhas do tempero que a vida inteira apreciara. “Aquele desaforado”, resmungou até o fim, pensando no desafortunado do Olorico, a quem, desconfiam os familiares, faltou sabedoria.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 16 de outubro de 2017)

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Um café para o Palhares

O Palhares insistia em me vir com política. Eu dizia: “bah, Palhares, política? Política não, né? Já está tudo tão esdrúxulo, tudo tão desavergonhado no Senado, no Planalto, na Assembleia... Fazem baixezas na Câmara alta, altas falcatruas na baixa e ainda queres me vir com política? Política não, né, Palhares. Pede um pão de queijo e me acompanha em um pingado que, pra começar o dia, melhor mesmo é conferirmos quem apareceu na Social do Pulita e depois sorver a reflexão do frei Jaime, para ver se renovamos o ânimo para mais um dia de labuta”.
Dizia isso e o Palhares meneava a cabeça em silêncio, me olhando de lado com um sorriso mal-acabado na ponta do rosto, como que dizendo que eu não tinha jeito mesmo, que essa postura passiva é que levava ao caos que agora se estabelecia e tomava conta. Arrebatava das minhas mãos o Pioneiro e abria direto na coluna da Rosilene Pozza para se indignar com os embates na Câmara e os ires e vires dos que vão e dos que vêm, pontuando o andar dos que ficam. “Política, rapaz, política. Tudo passa pela política. Precisamos sempre estar atentos, acompanhar, fiscalizar. Se não for pela política, nada vai mudar nesse país”, sentenciava o Palhares, bebericando o pingado fumegante que aquecia nossas manhãs no entorno da Praça Dante.
O Palhares está coberto de razão, eu sei. Ele defende a essência basilar do fazer política, que deveria mover genuinamente todos os cidadãos que decidem ingressar nela, a saber: dedicar-se à construção do bem comum. Os ataques pessoais, o arrivismo, o jogo de interesses, a corrupção, a prevaricação, são desvios operados por quem ingressa na vida pública com o único propósito de aprimorar a privada. A sua própria vida privada. E aí dá no que dá. Quando o desvirtuamento ocasional se transforma em padrão, as instituições políticas começam a ser corroídas pelo apodrecimento de suas bases e fundamentos. É aí que se instala a desesperança, que também precisa ser combatida porque, se ela tomar conta, a festa dos desvirtuados passa a não ter hora para acabar.

Precisamos de mais Palhares. De cidadãos que não desacreditem no instrumento civilizatório que é o fazer política com seriedade e abnegação, conforme foi idealizado em sua origem. E que exijam de seus protagonistas uma atuação condizente com as bases e fundamentos da atividade pública. Para que as discussões sobre política possam voltar a ser encaradas como produtivas, fundamentais e necessárias para o contínuo desenvolvimento da sociedade. Tá certo o Palhares. Mais um cafezinho aqui pro Palhares, por minha conta.
(Crônica publicada no jornal "Pioneiro", de Caxias do Sul, em 9 de outubro de 2017)